Agenda e tensões geopolíticas influenciam pregão

  •  
Agenda e tensões geopolíticas influenciam pregão (Foto: Divulgação) Agenda e tensões geopolíticas influenciam pregão

Nesta sexta-feira, 08, as principais bolsas de valores globais operam de lado, influenciadas pelas retaliações da Rússia ao Ocidente e à autorização do presidente Barack Obama para ataques aéreos no Iraque. Aqui no Brasil, o Ibovespa acompanha o exterior e recua 1,35%.

Com isso, a maioria das bolsas asiáticas encerrou em baixa o último pregão da semana. A bolsa de Shanghai, no entanto, exibiu ligeira alta, refletindo a surpresa positiva com a balança comercial chinesa.

Enquanto isso, na Europa, as bolsas caminham para um fechamento com perdas. Em Londres, o índice FTSE 100 cai 0,45%, a 6.567 pontos. Em Frankfurt, o DAX 30 tem queda de 0,33%, a 9.009 pontos, enquanto o CAC 40 em Paris recua 0,05%, a 4.147 pontos.

Em Wall Street, o cenário é diferente e bolsas avançam. Com isso, o índice Dow Jones ganha 0,51% aos 16.452 pontos; o S&P 500 avança 0,48% a 1.918 pontos; e a bolsa eletrônica Nasdaq apresenta ganhos de 0,34% aos 4.349 pontos.

A produtividade no país subiu mais que o previsto no segundo trimestre de 2014, segundo dados publicados pelo departamento do Trabalho. Aumentou 2,5% entre abril e junho em ritmo anual, marcando uma alta em relação ao grave retrocesso no primeiro trimestre, o mais importante em 33 anos (-4,5%, cifra revisada em baixa).

Além disso, a Agência Federal de Aviação (FAA) proibiu nesta sexta-feira, a aviação comercial americana sobrevoar o Iraque, onde os Estados Unidos estão realizando os seus primeiros ataques aéreos contra os jihadistas do Estado Islâmico (EI).

Aqui no Brasil, o Ibovespa apresenta perdas em linha com o mercado externo. Há pouco, o índice, desvalorizava 1,35%, aos 55.430 pontos. O giro financeiro da bolsa marcava R$ 2.382 bilhões.

E abrindo a agenda de indicadores internos, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) anunciou que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) do mês de julho apresentou variação de 0,01%, bem abaixo da taxa de 0,40% de junho. É a menor taxa desde 2010, quando se registrou 0,01% em julho e 0,00% em junho. A desaceleração de julho foi fortemente influenciada pelos grupos Transportes, com queda de 0,98% contra alta de 0,37% em junho, e Despesas Pessoais, que de 1,57% em junho passou para 0,12%.

Além disso, a Fundação Getulio Vargas (FGV) anunciou que o Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) de agosto de 2014 apresentou variação de 0,16%, 0,06 ponto percentual (p.p.) acima da taxa registrada na última divulgação. Nesta apuração, quatro das oito classes de despesa componentes do índice apresentaram acréscimo em suas taxas de variação. A principal contribuição para o avanço da taxa do índice partiu do grupo Alimentação (-0,25% para 0,02%).

Do lado corporativo, a Estácio anunciou que comprou a Faculdade Literatus, com duas unidades em Manaus, por R$ 48 milhões. A Literatus tem 22 cursos de graduação, 25 pós-graduação e IGC (índice Geral de Cursos), nota emitida pelo MEC, igual a 3 (numa escala de 1 a 5). Atualmente a instituição tem 4.800 alunos matriculados, sendo que o número total de vagas que podem ser oferecidas, incluindo todos os cursos, é de 14.170.

Na renda fixa, os juros futuros operam em alta. Instantes atrás o contrato de DI, com vencimento em janeiro de 2017, o mais negociado, apresentava taxa anual de 11,74%.

Para finalizar, o dólar opera com perdas de 0,04%. Há pouco, a moeda era vendida a R$ 2,298.

(MR – Agência IN)