IBGE: Adiamento da divulgação da PNAD Contínua

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) comunica que a a divulgação dos resultados PNAD Contínua (trimestre móvel abril-maio-junho de 2020) prevista para ser divulgada nesta quarta-feira (29) foi reagendada para o dia 6 de agosto de 2020.

De 2012 para 2017, população desocupada cresceu 6,5 milhões, diz IBGE

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2017, a força de trabalho no Brasil (103,9 milhões de pessoas) cresceu 1,7% (mais 1,7 milhão de pessoas) em relação a 2016. Enquanto a ocupação nesse período ficou praticamente estável (+264 mil), a desocupação aumentou 1,5 milhão. De 2016 para 2017, cerca de 85% do acréscimo da força de trabalho no Brasil ocorreu em função do aumento da desocupação.

  • Publicado em Economia

Taxa de desemprego fica em 11,8% no 4º trimestre de 2017, aponta IBGE

A taxa de desocupação (11,8%) no trimestre de outubro-dezembro de 2017 caiu -0,6 ponto percentual em relação ao trimestre de julho-setembro (12,4%), divulgou nesta quarta-feira (31) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Na comparação com o mesmo trimestre de 2016 (12,0%), houve estabilidade. Já a taxa média anual passou de 11,5% em 2016 para 12,7% em 2017, a maior da série histórica da pesquisa.

  • Publicado em Economia

Taxa de desocupação cai em 11 das 27 UFs no 2º trimestre, aponta IBGE

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no 2º trimestre de 2017, a taxa de desocupação, no Brasil, foi estimada em 13,0%, com retração em todas as grandes regiões, exceto Nordeste (estabilidade), com destaque para a região Norte (de 14,2% para 12,5%) e Centro-Oeste (de 12,0% para 10,6%). 

Taxa de desocupação chega a 13,2% no trimestre encerrado em fevereiro, mostra PNAD Contínua

A taxa de desocupação foi estimada em 13,2% no trimestre móvel encerrado em fevereiro de 2017, com altas de 1,3 ponto percentual frente ao trimestre móvel anterior (setembro a novembro de 2016 -11,9%) e de 2,9 pontos percentuais em relação ao mesmo trimestre móvel de 2016, quando a taxa foi estimada em 10,2%. Essa foi a maior taxa de desocupação da série histórica, iniciada em 2012. Estas informações foram divulgadas nesta sexta-feira, 31, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Taxa de desocupação cresce em todas as grandes regiões no 2T16, revela PNAD Contínua

A taxa de desocupação (11,3% no Brasil) subiu em todas as grandes regiões no 2º trimestre de 2016 em relação ao mesmo período de 2015: Norte (de 8,5% para 11,2%), Nordeste (de 10,3% para 13,2%), Sudeste (de 8,3% para 11,7%), Sul (de 5,5% para 8,0%) e Centro-Oeste (de 7,4% para 9,7%). No 1º trimestre de 2016, as taxas haviam sido de 12,8% no Nordeste, 11,4% no Sudeste, 10,5% no Norte, 9,7% no Centro-Oeste e 7,3% no Sul.

Taxa de desocupação foi de 11,2% no trimestre encerrado em abril, mostra PNAD Contínua

No trimestre móvel encerrado em abril, a taxa de desocupação (11,2%) cresceu 1,7 pp (ponto percentual) em relação ao trimestre móvel encerrado em janeiro (9,5%) e 3,2 pp em relação ao mesmo trimestre móvel de 2015 (8,0%), de acordo com informações divulgadas nesta terça-feira, 31, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IGBE). Essa foi a maior taxa de desocupação desde o início da pesquisa (janeiro de 2012). A população desocupada (11,4 milhões de pessoas) cresceu em ambas as comparações: 18,6% (ou mais 1,8 milhão de pessoas) em relação ao trimestre móvel encerrado em janeiro 2016 e 42,1% (mais 3,4 milhões de pessoas desocupadas) em relação ao mesmo trimestre móvel de 2015.

Taxa de desocupação sobe em todas as grandes regiões no 1T16, revela PNAD Contínua

A taxa de desocupação (10,9% no Brasil) subiu em todas as grandes regiões no 1º trimestre de 2016 em relação ao mesmo período de 2015: Nordeste (de 9,6% para 12,8%), Sudeste (de 8,0% para 11,4%), Norte (de 8,7% para 10,5%), Centro-Oeste (de 7,3% para 9,7%) e Sul (de 5,1% para 7,3%). No 4º trimestre de 2015, as taxas haviam sido de 10,5% no Nordeste, 9,6% no Sudeste, 8,6% no Norte, 7,4% no Centro-Oeste e 5,7% no Sul. Estas informações foram divulgadas nesta quinta-feira, 19, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Assinar este feed RSS