Vendas no varejo recuam 30,5% em maio, segundo ICVA

  •  
Vendas no varejo recuam 30,5% em maio, segundo ICVA (Foto: Pexels) Vendas no varejo recuam 30,5% em maio, segundo ICVA

Afetadas pela propagação da covid-19, as vendas no varejo brasileiro caíram 30,5% em maio, descontada a inflação, em comparação com o mesmo mês do ano passado, de acordo com o Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA). 

Em termos nominais, que espelham a receita de vendas observadas pelo varejista, o ICVA recuou 29,5 %. O calendário prejudicou levemente maio deste ano em comparação com maio de 2019. Sendo assim, o ICVA deflacionado com ajuste de calendário registrou queda de 29,4% e 28,3% em termos nominais. 

“Os patamares do Varejo em maio mostram recuperação quando comparados a abril, mês mais atingido pelas medidas de isolamento contra a pandemia da covid-19. Como destaque no mês, o setor de Supermercados e Hipermercados apresentou a maior alta, enquanto os setores de Móveis, Eletro e Lojas de Departamento e Vestuário apresentaram maiores recuperações”, afirma Gabriel Mariotto, diretor de Inteligência da Cielo.

Inflação

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) apresentou deflação de 0,38% em maio, menor variação mensal desde agosto de 1998. No acumulado dos últimos 12 meses, a inflação foi de 1,88%. 

Os grupos de Transportes, Vestuário e Habitação se destacaram na desaceleração do índice enquanto os grupos Artigos de residência e Alimentação e bebidas contribuíram para a aceleração do índice em relação a abril. 

Ao ponderar o IPCA pelos setores e pesos do ICVA, a inflação no varejo ampliado em maio foi de 1,5% ante 1,7% em abril.

Setores

Descontada a inflação e com ajuste de calendário, todos os blocos apresentaram queda nas vendas em relação a maio do ano passado. Serviços, Bens Duráveis e Semiduráveis e Bens Não Duráveis registram quedas de -62,9%, -40,5% e -5,8%, respectivamente.

No Bloco de Serviços, os setores de Serviços Automotivos e Autopeças e Alimentação -Bares e Restaurantes apresentaram as maiores acelerações na passagem entre os meses de abril e maio deste ano.

O setor de Móveis, Eletro e Lojas de Departamentos e Vestuários foram os que mais aceleraram no bloco de Bens Duráveis e Semiduráveis. No bloco de Bens não Duráveis, os setores que mais aceleraram foram Livrarias e Papelarias e Cosméticos e Perfumarias.

Regiões

Todas as regiões apresentaram queda em relação a maio de 2019. Segundo o ICVA deflacionado com ajuste de calendário, a região Sudeste apresentou a maior queda em maio de 2020: -34,2%. Na sequência aparecem as regiões Nordeste (-31,4%), Norte (-21,7%), Centro-Oeste (-19,2%) e Sul (-17,3%).

Pelo ICVA nominal – que não considera o desconto da inflação – com ajustes de calendário, o destaque também foi a região Sudeste: -32,8%. Em seguida aparecem: Nordeste (-30,2%), Norte (-18,9%), Centro-Oeste (-18,5%) e Sul (-16,4%).

(Redação – Investimentos e Notícias)